Estado de Minas conversou com Alberto Puig, coordenador da base do Barcelona

Como é a garimpagem de craques do Barcelona? (70% são garotos da cidade)

Aqui se trabalha com a metodologia dos 8 anos de idade até o time principal: velocidade da bola, troca de posições e redução dos espaços do campo. Nos outros clubes do mundo, cada treinador tem sua filosofia e trabalha sem criar uma linha a seguir. A cada troca de dirigente, muda-se a maneira de jogar. Aqui, há 25 anos mudamos presidentes, mas jamais a filosofia. A cantera é muito forte: 70% dos garotos são da cidade, 25% de toda a Espanha e 5% de outros países, inclusive do Brasil. A Catalunha é dos três ou quatro lugares mais importantes na formação de jogadores do mundo. Devido a problemas com a Fifa, a maioria de nossos jogadores é daqui mesmo. Os que vêm de fora do continente têm problemas de imigração, família, e tudo é mais complicado.


Há nove anos no cargo, você ajudou a formar Messi? (Mais que formar, transformar realidades)

Quando cheguei, era observador. Messi, em apenas um ano, queimou todas as etapas: juvenil A e B, Barça B e Primeira Divisão. Chegou aos 13 anos com toda a família. Depois de um, a mãe e o irmão voltaram à Argentina e só ficou o pai. Messi tinha um problema físico, de hormônio, de crescimento, e na Argentina não queriam pagar o tratamento para recuperá-lo. Aí o Barcelona o trouxe, deu-lhe todo o tratamento necessário e ele virou esse gênio. Não se pode culpar o Rosário ou os argentinos. Ninguém poderia imaginar que aquele garoto franzino, com problemas de crescimento, seria o maior jogador do mundo.

Quantos jogadores da base há no time principal? (Principal formada por 70% vindo da Base)

Mais de 70%. Thiago (filho de Mazinho, campeão mundial pelo Brasil em 1994) está aqui desde os 14 anos. Piquet chegou com 8 anos, Xavi com 10, Iniesta com 12, Puyol com 16, Busquets com 15, Valdés com 9… Temos mais uns 10 no time B e alguns poderão até servir a outros clubes. É muito difícil subir, não há espaço, os do time principal são jovens demais.

Há muita integração entre a base e a equipe principal?

Sempre, mas com Pep Guardiola há muito mais, pois ele foi formado aqui e conhece bem a estrutura e o funcionamento. Ele adora recorrer a garotos da base, principalmente nos treinos contra o time A.

Como funciona esta estrutura? (35 Técnicos formados, 2 por equipe para 5 ex-jogadores com experiência profissional)

Os jovens vivem em um pequeno prédio ao lado do Camp Nou. Estamos construindo um prédio na Cidade do Barça, com 80 quartos, além de um andar inteiro para o primeiro time, caso queira se hospedar lá. Dos nove campos do CT, sete são da base. Damos almoço, lanche e tudo o mais. Há 35 técnicos (média de dois por equipe), na maioria formados em universidades, e quatro ou cinco ex-jogadores com sua experiência profissional. Gastamos por ano quase 30 milhões de euros (mais de R$ 72 milhões).

No Brasil, há o problema dos agentes…(Federações e Clubes dando apoio às famílias)(Funcionários que ganham bem e com orgulho do clube)

Um garoto de 4, 5 anos já tem agente no Brasil. É uma aberração que a Fifa precisa mudar. Mas não podemos ser hipócritas. No Brasil, um garoto sai da favela, sem base sólida, e é levado por qualquer empresário que chega com ajuda. Mais tarde, por não ter formação de vida, com 23 ou 24 anos, vem o declínio. A maioria volta ao país por não conseguir se estruturar na Europa.

Não permitimos que representantes entrem aqui antes de o garoto ter 16 anos. Com essa idade, ele faz um contrato laboral e aí sim o agente pode chegar. Mesmo assim, a maioria prefere cuidar de seu destino com a família, pois recebeu formação para isso.

Aqui é lugar de trabalho, de lapidação de joias, não de agentes de futebol. Mas temos de entender que a Europa tem economia muito forte e as famílias não permitem aos agentes se aproximar dos garotos. Como disse, é impossível segurar um jovem com os pais passando necessidade. Eles entregam ao agente mesmo, veem nisso a solução para sua vida. Deveria haver leis coibindo.

Os clubes ou as federações deveriam se encarregar de dar essa ajuda aos pais para a formação dos meninos. Aqui não existe essa possibilidade. Ganhamos bem, temos um contrato longo e somos funcionários do clube com muito orgulho.

Como vê Messi e cia. ganhando tantos títulos? (Não há dinheiro que pague)

No último ano, três jogadores que saíram daqui foram eleitos os melhores do mundo: Messi, Iniesta e Xavi. É um orgulho, principalmente, para os que trabalham aqui há 25 anos. Não há dinheiro que pague.

Anúncios

Uma resposta para “Estado de Minas conversou com Alberto Puig, coordenador da base do Barcelona

  1. Seria muito bom o Barcelona olhar para o Atacante Willen e não esperar que haja um declínio, pois eu acho que o Vasco está esperando isso acontecer.