Renato Augusto fala da angústia de se formar longe da família

Neste Sábado o Sub15 do Vasco começa a decisão do Campeonato Carioca enfrentando o Fluminense em São Januário. Uma ótima pedida para sócios e torcedores vascaínos para começar bem o fim de semana. Respirar Vasco em nosso Estádio e torcer pela equipe numa decisão.

Enquanto a justiça não libera clássicos em São Januário, essa será a última oportunidade do ano de vermos o Vasco fazendo uso de seu mando de campo contra um rival carioca.

Mas voltando ao tema, na semana em que se prepara para estrear pelo Adulto do Vasco como titular, Renato Augusto falou sobre os momentos difíceis porque passou em sua trajetória para se tornar jogados profissional.

Hoje em dia, estamos acostumados, mas no início é complicado. A gente vive longe da família, fica sozinho, sente falta de alguém para te dar uma palavra no momento mais difícil. Então chega a pensar em desistir. Mas não me entreguei – disse em entrevista coletiva com transcrição do site esporteuol.

Oriundo de Bom Despacho, interior de Minas Gerais, Renato Augusto chegou ao Vasco com 15 e desde então mora nos alojamentos de São Januário.

Pois 15 anos é a idade da maioria dos atletas do Infantil que entrarão em campo amanhã para defender o Vasco, alguns vieram de longe e deixaram para trás suas famílias. Para não falar de todos, destaco o pequeno em tamanho mas grande em futebol, Renan Diniz, Maranhense que chegou este ano ao clube.

Maranhense Renan Diniz na 1ª Rodada do Carioca Infantil

Quando o Blogdebase cobra melhores condições de habitação e alimentação para os atletas que moram em São Januário, é para atender casos como este, onde o Vasco passa a ser o maior responsável pelo atleta vulnerável pela distância da família.

Atletas como Renan, que evidentemente precisam de reforço alimentar e correção de carências vitamínicas, terão que futuro se os sócios do Vasco se contentarem apenas com uma alimentação que mate a fome? Ou devemos deixar a questão a cargo de algum empresário?

Se estão distantes da família são nossa responsabilidade, sócios do Vasco! Embora a execução fique a cargo dos funcionários do clube, estes seguem orientação e contam com os recursos distribuídos por nossos dirigentes.

Vão à São Januário, vejam de perto a qualidade nata deste rapaz e imaginem até onde poderá chegar se nosso clube verdadeiramente resolver investir nele! Investir além da remuneração pelo contrato de formação, claro.

A formação de base é daqueles raros setores da economia onde quanto mais se investe no social, atletas, mais se tem retorno futuro. Algumas empresas faturam apenas indo na onda do marketing social, mas não é o caso dos clubes sociais como o Vasco.

Começando com o que é humanamente básico e passando pelo que há de melhor em educação, nutrição, fisiologia, psicologia e pedagogia esportiva, no fim das contas é escolha dos sócios o quanto e como deseja investir em sua base. O que não é possível é cobrar mais dos jovens do que se efetivamente forneceu.

 

Anúncios

Uma resposta para “Renato Augusto fala da angústia de se formar longe da família

  1. canizio a final do sub 15 vai ser em são januário ou no ct do pedrinho em seropédica outra coisa vc sabe onde vai jogar o sub 20 na copa otavio pinto? vascooooo